COMPRO MATERIAL DA FEB: JULIOZARY1997@GMAIL.COM

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

A Homenagem Esquecida: Memorial aos Pracinhas da FEB em Brasília

A Homenagem Esquecida: Memorial aos Pracinhas da FEB em Brasília

A imprensa informou esta semana. Inicialmente planejado para ser erguido no Eixo  Monumental, entre o Memorial JK e a Igreja Rainha da Paz, o Memorial  dos  Heróis da Pátria em Brasília corre o risco de ser preterido  por um memorial ao ex-presidente João Goulart.  O terreno doado em 1991 está vazio até hoje, sem que fosse realizado o projeto de Oscar Niemeyer.  Haveria área para exposições,  auditório e salas de reuniões

A noticia reflete o desinteresse oficial pela memoria da participação brasileira na Segunda Guerra Mundial.  Como Brasília ainda estava no papel quando o Marechal Mascarenhas liderou o traslado dos pracinhas de Pistoia, o monumento aos heróis
acabou sendo construído no Rio, e com o paulatino desaparecimento dos chefes da FEB, envelhecimento da massa de Veteranos,  e a própria falta de apoio oficial, a ideia de erguer um outro monumento na nova capital acabou encontrando obstáculos que hoje se revelam como quase intransponíveis.

Entretanto, chegou a hora de retomar a iniciativa com força total, aproveitando as comemorações dos 70 anos da chegada da FEB na Itália em 2014.

Brasília, como capital do país, merece um monumento à altura daquele erguido no Parque do Flamengo, no Rio de Janeiro, projeto do Arquiteto Marcos Konder, o Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, inaugurado em 1960 pelo próprio JK, quando foram transladados de Pistoia, Itália por via aérea, os restos mortais de 450 bravos pracinhas da FEB - Força Expedicionária Brasileira, que honraram o juramento de defender a Pátria se necessário com o sacrifício da própria vida.

Em dezenas, talvez centenas de cidades de Norte a Sul do Brasil existem monumentos em homenagem aos heróis  brasileiros, pois a FEB era um microcosmo da nacionalidade.  Seus soldados eram oriundos  de mais de 50 cidades, tanto é que em quase todas elas existiram  Associações de Veteranos, e ainda hoje cerca de 10 ainda resistem a patina do tempo, que a tudo recobre e leva inexoravelmente os últimos heróis vivos, todos na faixa de 90 anos. Dos 25 mil soldados e 70 enfermeiras que partiram para o desconhecido, para lutar pela liberdade e democracia na Itália, incorporados ao 5º. Exercito dos EUA, estima-se que hoje de 500 a mil ainda estejam por aqui, sendo cerca de 50 a 100 veteranos da FEB e ex-combatentes em geral residindo  em Brasília, que gostariam ainda de ver o monumento erguido antes de partirem.

Eles estavam a bordo dos navios que fizeram frente à KriegsMarine do Almirante Doenitz e de Hitler, que cruelmente torpedearam nossos mercantes com a perda de um milhar de preciosas vidas brasileiros.  Voaram nos aviões P-47 do 1º. Grupo de Aviação de Caça, o Senta-a-Pua. Estavam no litoral e ilhas oceânicas nacionais para fazer frente a possível invasão que até a debacle nazista poderia perfeitamente ocorrer, como aconteceu na África.

Estiveram em Montese, Monte Castelo, Fornovo, em todos os lugares onde se afirmou a bravura e determinação do soldado brasileiro, cidadão fardado. Estes nomes hoje quase esquecidos,  representam para o Brasil o mesmo que Stalingrado, o Dia D, Bir Hakeim,  El Alamein, a Batalha da Inglaterra, enfim, todos os lugares onde a mesma determinação esmagou o pretenso Reich milenar que só durou 11 tenebrosos anos, que tanto custaram a Humanidade.

Erguer um monumento em Brasília será reconhecer os esforços do Brasil, aquele pais pobre e rural dos anos 40, atacado por uma das mais poderosas potencias militares da época, pela ultramoderna arma submarina, quando soubemos dar uma resposta a altura, graças em parte aos estudantes na rua que fizeram com que o governo de Getúlio declarasse guerra ao Eixo. Foram os cara-pintadas da época.

Entre idas e vindas da Secretaria de Cultura  com seu Plano de Preservação do Conjunto  Urbanístico de Brasília (PPCub),  Instituto do  Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e os habituais entraves burocráticos, teme-se com justa razão que não muitos dos pracinhas ainda vivos poderão realizar em vida seu sonho.  Cabe às autoridades evitar que isso aconteça, e cabe a todos que cultuam a memoria dos feitos heroicos nacionais na Segunda Guerra Mundial agir com  determinação para que 2014, o ano em que comemoramos o desembarque da FEB na Itália, seja o ano do Monumento de Brasília.


Prof Israel Blajberg
Assessoria de Imprensa
Casa da FEB
10 dez 2013

sábado, 30 de novembro de 2013

JORNAL O GLOBO PRESTA HOMENAGEM AO ESQUADRÃO DE RECONHECIMENTO DA FEB E SEUS 70 ANOS

O Jornal o Globo de hoje, dia 30, na sua página 48, nos brinda com uma página inteira sobre os 70 anos de criação do Esquadrão de Reconhecimento da FEB, hoje sediado em Valença-RJ.

O título do texto: "Uma rendição sem igual" conta a história da rendição alemã da 148 Divisão de Infantaria, ocorrida do dia 29 para 30 de abril de 1945.

O artigo fala sobre o uso de carros blindados na Itália e a herança do conflito para o Exército Brasileiro no uso desses equipamentos de guerra, citando o Blindado Guarani, desenvolvido por aqui.

Conta, também, a montagem do Museu Capitão Pitaluga, que funciona na própria Unidade do Exército, em Valença, o qual já publicamos algumas fotos aqui, e, diga-se de passagem, é muito bem montado.

O evento comemorativo ocorrerá no próximo dia 7 de dezembro.

Enviado por um de nossos correspondentes de guerra: Cesar Cerqueira


terça-feira, 26 de novembro de 2013

78 ANOS DA INTENTONA COMUNISTA

Hoje, o Brasil relembra os 78 anos da Intentona Comunista, a primeira tentativa de se instalar, no Brasil, um regime  preconizado por Karl Marx, Lenin e Gramsci.

A Intentona Comunista foi uma tentativa de derrubada do governo de Getúlio Vargas. Na realidade, o movimento tinha por objetivo, além de derrubar o presidente, tomar o poder. Liderada pela Aliança Nacional Libertadora (ALN), a Intentona eclodiu em novembro de 1935, mas foi rapidamente combatida pelas Forças de Segurança Nacional, especialmente o Exército Brasileiro.

O movimento ganhou adeptos dentro dos batalhões. Militares de baixa patente inclinados ao comunismo iniciaram a rebelião na noite do dia 23 de novembro de 1935, em Natal, no Rio Grande do Norte, onde os revolucionários chegaram a tomar o poder durante três dias. Depois se estendeu para Maranhão, Recife e por último para o Rio de Janeiro, no dia 27.

No Rio de Janeiro, apesar de não ser o local onde ocorreu o maior número de mortes no conflito, o episódio foi relembrado hoje, pois 28 militares foram mortos pelos seus próprios colegas de caserna, num vil episódio de traição, ato típico de comunistas.

Aos valorosos combatentes que morreram há 78 anos, as nossas sinceras homenagens. Saibam que vocês não morreram em vão. Vocês abortaram a primeira tentativa de transformarem o Brasil em uma grande Cuba. 

Abaixo, o local onde estão sepultados 27 desses heróis. Nossa justa homenagem.


quarta-feira, 20 de novembro de 2013

DOCUMENTÁRIO HISTORY CHANNEL: A GUERRA VISTA DO ESPAÇO

Interessante documentário realizado pelo History Channel, em inglês, com diversas informações acerca de toda a guerra.


U-BOAT: DOCUMENTÁRIO SOBRE A GUERRA SUBMARINA DURANTE A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

Vídeo muito interessante para quem quiser entender o tipo de máquina de guerra alemã que foi, em tese, causa do Brasil entrar na guerra.

Em inglês, com duração de duas horas e meia.


segunda-feira, 18 de novembro de 2013

JORNAL ELETRÔNICO TAIADAWEB, DE CAÇAPAVA, PUBLICA NOSSO VÍDEO

Muito obrigado ao nosso amigo JC Flores, por ter publicado o vídeo.

Para maiores informações sobre o jornal eletrônico de Caçapava e região, acesse: http://www.taiadaweb.com.br/homenagem-do-museu-virtual-da-feb-aos-70-anos-da-campanha-na-italia/

Interessante o comentário sobre o vídeo:

Anibal Tosetto, em
Justa Homenagem à FEB e Combatentes. Parabéns ao autor do vídeo e ao Museu Virtual da FEB (http://museuvirtualfeb.blogspot.com.br/)
Sempre serão bem-vindas iniciativas e divulgação da História do Brasil e nossos milhares de Heróis Anônimos motivados por Princípios e não pelo dinheiro público, antes que só tenhamos como referência a “bravura” covarde e traiçoeira de “blacks blocs”, gangs, crime organizado e políticos demagogos-e-tudo-pelo-dinheiro-público.

Povo sem memória
é povo sem História,
é presa da escória.
Povo presa da escória,
é desnorteado,
é tomado pelas raízes daninhas.
Povo de raízes daninhas
não floresce, definha.

Muito obrigado caro Aníbal, compartilhamos do mesmo sentimento.


domingo, 17 de novembro de 2013

Ex-combatentes da FEB: uma visita de reconhecimento !!!

Na manhã de segunda feira, 11, esteve em visita às instalações militares de Caçapava, um grupo formado por representantes da Sociedade Amigos da 2ª Divisão do Exército,  e do Monumento Votivo Militar Brasileiro, representados pelo Coronel Edvard Cavalcanti Leite e srs. Mário Pereira e conselheiro Cadorno Sabatino Augelli, respectivamente, os quais, em companhia do General de Brigada Wiiliam Georges Felippe ABRAHÃO, comandante da 12ª Brigada de Infantaria Leve (Aeromóvel) e do Tenente Coronel José JACAÚNA de Souza Neto, comandante do 6º Batalhão de Infantaria Leve (Aeromóvel), estiveram em visita ao Museu do Expedicionário, nas dependências do 6º BIL, ao Mausoléu dos Expedicionários no Cemitério Municipal, seguindo logo após, ao Centro Cultural de Caçapava, onde participaram de uma visita especial às viaturas militares recentemente incorporadas ao Museu Roberto  Lee.



Enviado por JC Flores.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

LIVRO COMANDEI UM PELOTÃO DE FUZILEIROS - FEB













Excelente livro da FEB. Contato direto com o autor - E-mail: erosanches@hotmail.com

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

CAPACETES ALEMÃES QUE PODERIAM SER ENCONTRADOS NA ITÁLIA

Capacetes alemães são itens dos mais colecionáveis entre os amantes da militaria, juntamente com as Lugers e as Cruzes de ferro.

A cor padrão, de fábrica, variou do verde maçã (no modelo 35) até o cinza (modelos 40 e 42). Mas, no desenrolar da guerra, tornou-se comum no Exército, bem como na Luftwaffe e Kriegsmarine, a prática de se camuflar capacetes.

Tal prática visava à quebrar o brilho ou o contorno dos mesmos. Para tanto, os alemães usavam tintas de viaturas, lama, arame (chicken wire), entre outras coisas.

A seguir, veremos algumas fotos de capacetes usados pelos alemães no TO italiano, com pintura conhecida no meio dos colecionadores como tropical.

M-40 com pintura uniforme cor do Mediterrâneo.


M-42 com pintura original, com rede tipo chicken wire.


M-40 com rede de camuflagem não-oficial alemã. Notem que os soldados, em campanha, usam de tudo ao alcance das mãos para pode camuflar seu material.


M-40 com camuflagem spray cor Mediterrâneo.

 M-35 ou 40 com pintura branca, para camuflagem durante o inverno.


Fonte: wehrmachtawards.com

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Enviado por Orlando Alvarez.

sábado, 26 de outubro de 2013

CLASSIFICAÇÃO DAS OBRAS COMEMORATIVAS AO CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO FREI ORLANDO

CLASSIFICAÇÃO DAS OBRAS DO SALÃO DE ARTES PLÁSTICAS
COMEMORATIVO DO CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DO FREI ORLANDO
ARQUIVO HISTÓRICO DO EXÉRCITO

Excelente iniciativa do Arquivo Histórico do Exército

O AHEx realizou no dia 20 de setembro de 2013, no do Salão Nobre Palácio Duque de Caxias, 9º andar, o vernissage e a premiação do Salão de Belas Artes comemorando o centenário de nascimento do Frei Orlando, Patrono do Serviço de Assistência Religiosa do Exército. Foram inscritos 46 artistas dentre os quais, 41 apresentaram suas obras em óleo sobre tela. Os trinta melhores receberam medalha e diploma de participação e os três primeiros receberam os prêmios como se segue: 1º lugar – R$ 5.000,00 e troféu; 2º lugar – R$ 4.000,00 e troféu; e 3º lugar R$ 3.000,00 e troféu.

Compareceram ao evento o Exmo Sr Gen Div Antônio Hamilton Martins Mourão, Vice- Chefe do Departamento de Educação e Cultura do Exército, o Exmo Sr Gen Bda Marcio Roland Heise , Diretor da Diretoria do Patrimônio Histórico e Cultural do Exército, comandantes de OMDS da DPHCEx e da Gu do Rio de Janeiro, os Capelães militares da GU do Rio de Janeiro, os integrantes da DPHCEx e do AHEx , as Sra Susana Melo Carneiro e Sra Heliana Melo Ferreira, sobrinhas do Frei Orlando, aqueles que compuseram o jurado técnico que escolheram as melhores obras os quais: Sr Cel Refm Pedro Paulo Cantalice Estigarríbia, Sra Therezinha Hillal (SBBA) , o Sr Carlos Alberto Souza Júnior (SBBA) e o Sv Civ Sr Jorge Cunha (CEPHiMEx).

Vejam duas obras que achei bem interessantes:


Autor: Oséias Nunes Ferreira
Cidade: Duque de Caxias-RJ
Título: "O Frei Orlando"
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 80 x 60 cm
Colocação: 1º Lugar


Autor: José de Arimatéia dos Santos Sousa
Local: Rio de Janeiro - RJ
Título: "Frei Orlando Suas Missões"
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 100 x 80 cm
Colocação: 4º Lugar

terça-feira, 15 de outubro de 2013

MORRE O ÁS DA LUFTWAFFE MARTIN DREWES

Martin Drewes “decolou” para sempre.  Faleceu na manhã de domingo (08:30h), e  o velório foi na Capela Mortuária “São José” – Blumenau – dia 14/10 às 11:00h.

Em seguida, foi cremado – “Crematório Vaticano” em Balneário Camboriú – e finalmente suas cinzas com as da esposa, serão distribuídas na Baía da Guanabara, conforme seu desejo!


FONTE: http://www.defesanet.com.br/mh/noticia/12628/Martin-Drewes-%E2%80%9Cdecolou%E2%80%9D-para-sempre/


Enviado por Orlando Alvarez. 



Segue para o Oriente Eterno esse brilhante ás da Luftwaffe, que escolheu o Brasil para viver seus anos no pós-guerra.

Foi agraciado, entre outras, com a Cruz de Cavaleiro com folhas de carvalho, uma das maiores condecorações da Alemanha, durante a guerra.
 

domingo, 13 de outubro de 2013

VÍDEO: A BATALHA PELA ITÁLIA - EM INGLÊS

Vídeo conta a história da conquista da Itália pelos aliados.


sexta-feira, 11 de outubro de 2013

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

HISTÓRIA DA TASK-FORCE 45, DE 29 DE JULHO DE 44 A 28 DE JANEIRO DE 1945

Apresentamos um documento interessante, que fala sobre a Força-Tarefa 45 (TF-45), a qual o Destacamento FEB fez parte, por algum tempo.

Uma tradução de parte do prefácio, sobre o conceito da TF-45:
"A Força-Tarefa 45 era uma tropa poliglota, formada por americanos e ingleses, partisans italianos, brasileiros e tropas americanas de cor, lutando todos lado a lado...".

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

CITAÇÃO DE DISTINÇÃO DE UNIDADE - DISTINGUISHED UNIT CITATION FEB

O patch Distinguished Unit Citation foi estabelecido pela Portaria n º 9075, em 26 de fevereiro de 1942, pelo governo norte-americano. Essa ordem tornou possível, para o Secretário de Guerra, emitir citações em nome do presidente dos Estados Unidos para as unidades das Forças Armadas dos Estados Unidos e seus aliados por heroísmo em ação contra um inimigo armado, a partir de 07 de dezembro de 1941. A unidade devia exibir tal bravura, determinação e espírito de corpo no cumprimento de sua missão em condições extremamente difíceis e perigosas, para distingui-la de outras unidades participantes da mesma campanha. 

Grande parte das Unidades febianas receberam a referida citação, com os seus integrantes podendo usar o patch na manga direita do uniforme. É muito comum encontrarmos esse patch com fabricação americana. 

Porém, com esta fabricação, é a primeira vez que vejo. Faz parte de um conjunto de um veterano que apareceu aqui no Rio, há pouco tempo.


MONOGRAFIA: ESTUDO SOBRE OS ACERVOS DOS PRACINHAS DA FEB

segunda-feira, 30 de setembro de 2013


Enviado por Rodrigo Lameira.

domingo, 29 de setembro de 2013

A POLÍCIA DO EXÉRCITO NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

A fase preparatória

Com a necessidade de se organizar uma Divisão de Infantaria, aos moldes americanos, um pelotão de Polícia Militar (Military Police) deveria ser criado.

Este tinha como missão: manutenção da ordem e da disciplina nos estacionamentos (marchas, bivaques, acampamentos e acantonamentos); disciplina no tráfego das estradas; guarda aos QG; vigilância de pontos críticos, como pontes; vigilância de brechas entre as unidades; guarda de prisioneiros e de seu transporte; balizamento de estradas, etc.

O treinamento foi realizado a partir de março de 1944, no Campo de Instrução de Gericinó. A formação foi realizada no 3 Regimento de Infantaria, sendo organizado em duas seções, uma de tráfego e outra de polícia. O Comandante do Pelotão tinha, também, o encargo de Inspetor de Tráfego.

Tendo em vista o desconhecimento, nas fileiras do Exército, sobre questões policiais, pensou-se em aproveitar alguma corporação distinta. Assim, ao núcleo original de 19 homens do Exército, se juntaram 44 voluntários oriundos da Guarda Civil de São Paulo.

O Pelotão de Polícia Militar da FEB estava sediado, provisoriamente, na Rua São Francisco Xavier, em anexo ao QG da DIE.

A atuação na Itália

O Pelotão foi para a Itália junto ao 1 escalão, sendo comandado pelo Tenente José Sabino Maciel Monteiro (o qual já temos um artigo aqui). 

O Pelotão de PM podia ser caracterizado por seus distintivos (garruchas cruzadas na gola), o capacete MP e o braçal, representando a autoridade.

Em abril de 1945, o Pelotão teve seu efetivo elevado, alçando a categoria de Companhia. Por seu íntimo envolvimento no conflito, o Pelotão MP teve duas perdas em combate: os soldados Paulo Emydio Pereira e Clóvis Rosa da Silva.

Fonte: PINTO JUNIOR, DOMINGOS VENTURA et all. A Polícia do Exército Brasileiro. Porto Alegre: Genesis, 2001.


Enviado por: Fabio Linhares.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

LA LINEA GOTICA - ITÁLIA

La Linea Gotica é uma Associação fundada em 2010, por vontade de um grupo de estudiosos, pesquisadores e entusiastas de temas históricos relacionados com a II Guerra Mundial na Itália e, em particular, os acontecimentos da Linha Gótica, ocorridos entre o verão de 1944 e a primavera de 1945, na parte da frente da Toscana, Marche e Emilia-Romagna.

Para quem quiser mais informações, em italiano ou inglês, acesse: http://www.lineagotica.eu/index.php

Link sobre a FEB: http://www.lineagotica.eu/news.php?id=10

Link sobre o Museu de Iola: http://www.lineagotica.eu/news.php?id=126

Link sobre o Museu de Montese: http://www.lineagotica.eu/news.php?id=125


domingo, 1 de setembro de 2013

OS TELEGRAMAS DA FEB

Esses pedaços de papel eram muito desejados, tanto pelos febianos, quanto por suas famílias, aqui no Brasil. Apesar de poderem ter apenas mensagens curtas, eles chegavam muito mais rápido ao destinatário. Porém, oomo eram relativamente caros, geralmente apenas Oficiais e Sargentos mandavam esse tipo de notícia. Os soldados preferiam as boas e velhas cartas, que apesar de passarem pela censura, poderiam conter muito mais notícias.

Basicamente duas empresas fizeram o envio desses telegramas. Parace que, inicialmente, até meados de novembro de 1944, os telegramas eram enviados pela RADIOBRAS. A partir daquela data, os telegramas eram enviados pela WSTERN TELEGRAPH COMPANY, até o final da guerra.

Seguem dois modelos diferentes de telegramas, enviados pelo mesmo febiano, sendo o primeiro em 44  e o segundo em 45.









quarta-feira, 28 de agosto de 2013

PLACA DO CLUBE MILITAR EM HOMENAGEM AOS PRACINHAS - 18/07/1945

O Clube Militar prestou, no final de semana próximo passado, uma homenagem aos febianos, ao organizar a 1 Festa Nacional dos Pracinhas, em suas instalações, na Lagoa - RJ.

Para ver fotos do evento, clique aqui: http://clubemilitar.com.br/festa-nacional-dos-pracinhas-2/

O Clube Militar é conhecido como A CASA DA REPÚBLICA. Ostenta, em seu escudo, a Imperial Ordem de Aviz, comenda herdada do Império do Brasil.

O Clube recebe a alcunha de A Casa da República, tendo em vista os fatos narrados no texto a seguir:

"No dia 5 de novembro, no Clube Militar, houve uma reunião da diretoria sob a presidência de Benjamin Constant - pois Deodoro, doente, se afastara desde 21 de outubro - na qual se tratou de dois assuntos: “novos sócios” e “interesse geral”. Na segunda parte decidiu-se convocar uma assembleia geral para o sábado, dia 9 de novembro. Nos dias seguintes, 6, 7 e 8 de novembro, sucedem-se reuniões preparatórias na residência de Benjamin Constant, com a presença de inúmeros republicanos e associados do Clube Militar, entre os quais o Major Marciano de Magalhães, Capitão Mena Barreto, Tenentes Saturnino Cardoso, Sebastião Bandeira, Alferes Joaquim Inácio, Aluno da Escola de Guerra Aníbal Eloi Cardoso, Major Sólon e Quintino Bocaiúva.
Decidem solicitar que Deodoro organize um “governo provisório”, o que ocorre a 11 de novembro, quando, em reunião em sua residência foram levantados os nomes de Aristides da Silveira Lobo, Benjamin Constant, Eduardo Wandenkolk e Quintino Bocaiúva e combinaram que, na assembleia geral de 9 de novembro, o Tenente Coronel Alfredo Ernesto Jacques de Ourique apresentaria uma proposta para formar uma comissão de três associados do Clube Militar que deveria se dirigir ao Presidente do Conselho, Visconde de Ouro Preto, para “solicitar fosse sustada a pressão sobre as tropas da guarnição do Rio de Janeiro”.


É interessante notar que o Clube Militar foi uma das primeiras entidades a homenagear a FEB, tendo em vista que a placa em bronze é datada de 18 de julho de 1945. 68 anos após a inauguração dessa placa, o Clube novamente homenageia aqueles que defenderam o Brasil contra os agressores.


segunda-feira, 26 de agosto de 2013

DIA 25 DE AGOSTO - DIA DO SOLDADO

Graças a ausência de sinal da NET, no dia de ontem, só pudemos fazer esse post hoje.

Desejamos um feliz dia aos soldados de ontem e de hoje.

Ordem do Dia do Comandante do Exército:

Ordem do Dia – 25 de agosto – Dia do Soldado

Soldados do Exército Brasileiro!

Hoje, 25 de agosto, o Exército Brasileiro celebra o Dia do Soldado e homenageia seu Patrono, LUÍS ALVES DE LIMA E SILVA, o Duque de Caxias.

CAXIAS é uma referência permanente de legalidade, perseverança, generosidade, amor à Pátria, solidariedade e disciplina; uma imagem de intransigência com o erro; uma síntese de virtudes e valores que dão alma e fortaleza ao Exército.
 
CAXIAS, o Pacificador, legou-nos o jeito conciliador nas negociações, o convencimento para desarmar espíritos conturbados, a capacidade de conviver com diferenças, a perseverança perante as dificuldades, o espírito de cumprimento de missão e uma fé inabalável na vitória.

De CAXIAS herdamos, também, o exemplo de dedicação integral ao serviço da Pátria e de defesa de sua unidade e integridade territorial. Legou-nos, ainda, a coragem de manter esse compromisso até mesmo com o sacrifício supremo da vida, tendo a Bandeira do Brasil como mortalha e a honra como chama inapagável a crepitar sobre nosso túmulo.

Por tudo isso, a sociedade confia no seu Exército, pelos seus valores éticos e morais, pela prontidão dos seus integrantes, mais do que pela sua capacidade dissuasória como força armada. O BRASIL, que cresce a olhos vistos, impõe que essa confiança seja ainda mais balanceada.

Acompanhamos a conjuntura. Vemos que o mundo atravessa séria crise econômica de dimensão ainda indefinida. Isso afeta a todos. Soldado é homem da adversidade, superamos dificuldades de toda natureza para nos manter preparados, para cumprir as missões que nos são confiadas, que chegam a uma média diária de mais de oitenta operações, do Haiti ao Complexo do Alemão.

Por tudo isso, também nesta data, rendo homenagem a toda nossa gente verde-oliva pelo entusiasmo, pela capacidade de superação, pela coesão e pela gestão austera.

Prossigam no cumprimento da missão – quer na solidão das fronteiras, superando o cansaço, o desconforto e as endemias; quer nas outras centenas de guarnições articuladas por todo o território nacional e no exterior – içando com orgulho nossa Bandeira, adestrando-se e servindo!

O nosso relacionamento profissional com os estamentos desta imensa Nação e com os exércitos das Nações amigas tem sido franco e construtivo. Assim seguimos avançando juntos, passo a passo. O Brasil, porém, avança ainda mais rápido. E seu Exército precisa acompanhá-lo para proteger sua vanguarda, seus flancos e sua retaguarda; e para servir de escudo ao seu desenvolvimento.

A edição da Estratégia Nacional de Defesa colocou os assuntos de defesa na agenda nacional e tem mostrado a clara determinação da Comandante Suprema das Forças Armadas e do Ministério da Defesa de dotar as nossas Forças com material situado na vanguarda tecnológica, preferencialmente produzido pela indústria nacional. Isso permitirá ao Exército transformar-se na Força que o País necessita, com estrutura modular baseada em capacidades, com elevada mobilidade, flexibilidade e versatilidade; apto a deslocar-se prontamente para atuar em diferentes cenários. Essas esperanças marcham à nossa frente.

Soldados brasileiros! Parabéns pelo seu trabalho constante, silente, efetivo! Permaneçam atentos, preparados, vibrantes e coesos. A sentinela nunca dorme; o Exército, sentinela da Pátria, muito menos.

General-de-Exército ENZO MARTINS PERI
Comandante do Exército

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

ESCOVA DE DENTES EXCLUSIVA DA FEB - MARCA DISTINCTA

Eis uma peça simples, bastante usada pelos febianos, seja no front ou na retaguarda: a escova de dentes.

É uma peça bem rara de ser achada, até porque quem é que guarda uma escocova de dentes usada? Difícil essa......

A maior parte das pouquíssimas escovas que aparecem por ai estão com o cabo quebrado. Algumas poucas foram achadas pelo nosso amigo Juri em Stáffoli. Então essa peça, apesar de simples, é rara.

Essa escova foi feita pela Fábrica de Escovas Distincta e Sanis Ltda., uma firma composta pelos sócios quotistas Custodio Soares Cortes, Edson Collaço Veras, Julio Cardoso Ribeirinho e Luiz Henrique Pinto, para o comércio de escovas.

Não encontramos mais nenhuma informação acerca desta fábrica, nem em que ano foi fechada.

O QUE OS PADIOLEIROS DA FEB LEVAVAM DENTRO DO BORNAL?

Os padioleiros são os homens responsáveis por fazer o primeiro atendimento aos militares feridos em combate. Na Segunda Guerra, os padioleiros da FEB podiam ser identificados por usarem capacetes com círculos brancos, que continham cruzes vermelhas dentro deles.

Esses desenhos serviam para facilitar a identificação pelo inimigo, que saberia tratar-se de um militar não armado. Na teoria, isso era válido, baseado na Convenção de Genebra. Porém, na prática, alguns padioleiros febianos acabaram morrendo em combate. Os capacetes de padioleiro já foram mostrados aqui.

Muitas das fotos de padioleiros da  FEB retratavam os mesmos carregando dois bornais, um de cada lado do corpo. Os referidos bornais eram de fabricação americana, e nos quais os atendentes carregavam toda sorte de material, tal como curativos, morfina, gaze, etc

Alguns desses material foram fabricados por aqui, como os curativos, mas muita coisa americana foi usada. Desta forma, mostramos uma bolsa de padioleiro com um exemplo do que poderia ser encontrado dentro.

Fonte: usmilitariaforum


quinta-feira, 22 de agosto de 2013

domingo, 18 de agosto de 2013

VÍDEO HERÓIS DE GELO - TC DURVAL LOURENÇO

Vídeo bacana, com música que, para mim, é inédita.

Heróis de Gelo, de Marcos Bianchi.


sábado, 17 de agosto de 2013

CRUZ DE COMBATE: SÍMBOLO DA BRAVURA EM NOME DO BRASIL

Já apresentamos aqui o artigo na íntegra, apresentado em Curitiba, no ano de 2011.

Agora mostramos a apresentação em powerpoint, para uma melhor visualização.

UMA CLÁSSICA (E INCOMPREENDIDA) MANOBRA DE DESBORDAMENTO: A FEB E O VALE DO SERCHIO (1944)

Apresentamos um artigo sobre as operações ofensivas da FEB, elaborado pelo nosso amigo Prof Dennison (UFPR).

Antes de postar o artigo, cabe uma breve explanação sobre as ações ofensivas de uma tropa.

TIPOS DE OPERAÇÕES OFENSIVAS
- Marcha para o combate
- Reconhecimento em força
- Ataque
- Aproveitamento do êxito
- Perseguição

Pode-se afirmar que a FEB executou todos os tipos de operações ofensivas na campanha da Itália.

FORMAS DE MANOBRA
- Ataque frontal
- Penetração
- Desbordamento
- Envolvimento
- Infiltração

A FEB executou o ataque frontal algumas vezes em Monte Castello. O artigo apresentado aqui refere-se a ação de desbordamento.


quinta-feira, 25 de julho de 2013

TENENTE-CORONEL JOSÉ DE SOUZA CARVALHO - COMANDANTE DO III GRUPO DE ARTILHARIA 105 mm






A seguir, passaremos alguns trechos da alocução proferida pelo Coronel Leonel Comegna, Cmt 20 GAC - Grupo Bandeirante, em homenagem ao Exmo Sr General José de Souza Carvalho, pela passagem do seu 80 aniversário natalício, realizado no CMSP, no dia 12 de setembro de 1978, durante a solenidade cívica.


Data nascimento 12 Set. 1898, no Rio de Janeiro
Matriculado no Colégio Militar do RJ, em 1909
Matriculado na Escola Militar do Realengo, em 1917
Reformado no posto de Gen. Bda., em 1955
Data falecimento: 14 Set. 1993, em São Paulo - SP

Foto e texto gentilmente enviados por Paulo Soukup, neto do então Ten. Cel. Souza Carvalho, comandante do III Grupo 105 da FEB. Paulo muito se alegra de finalmente, graças a internet, poder começar a reatar o contato com amigos e conhecidos, antigos membros da FEB e do Grupo Bandeirante.

Durante muitos anos teve a honra de participar e colaborar nos eventos no Grupo Bandeirante (atual 20º GAC L), seja das solenidades comemorativas do último tiro na Itália, da organização do Museu da unidade pelo então Cel. Nery ou apenas desfrutando da companhia de antigos colegas da Escola Preparatória de Cadetes que durante uma época serviam no Grupo como oficiais e também dos veteranos, antigos soldados de seu avô. Confessa que em muitas ocasiões era difícil conter a emoção, ao estar entre aqueles homens e escutar seus relatos e seus comentários, testemunhos vivos da historia. 

Ao Paulo o nosso muito obrigado.